quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Resenha [#2] : A culpa é das estrelas, de John Green


    Livro: A culpa é das estrelas
    
    Título original: The Fault in Our Stars
 
   

    Autor: John Green
    
    Editora: Intrínseca
    
    ISBN: 9788580572261
    
    Ano: 2012
    
    Páginas: 288
    
    Skoob: aqui.


Sinopse :A culpa é das estrelas narra o romance de dois adolescentes que se conhecem (e se apaixonam) em um Grupo de Apoio para Crianças com Câncer: Hazel, uma jovem de dezesseis anos que sobrevive graças a uma droga revolucionária que detém a metástase em seus pulmões, e Augustus Waters, de dezessete, ex-jogador de basquete que perdeu a perna para o osteosarcoma. Como Hazel, Gus é inteligente, tem ótimo senso de humor e gosta de brincar com os clichês do mundo do câncer - a principal arma dos dois para enfrentar a doença que lentamente drena a vida das pessoas. Inspirador, corajoso, irreverente e brutal, A culpa é das estrelas é a obra mais ambiciosa e emocionante de John Green, sobre a alegria e a tragédia que é viver e amar.  
 
            O mais impressionante, é que antes da história começar, tem uma nota do autor, a qual diz que a história toda é ficção, que ele inventou tudo, e mesmo assim, fui capaz de chorar rios. Então se você é sensível e se envolve nas histórias como eu, grave e entenda muito bem essa nota antes de partir para a história ! Se quiser leia a última página do livro que é a dos agradecimentos onde ele cita novamente que é tudo ficção, mas só realmente comece a ler a história quando estiver ciente e não esquecer, em hipótese alguma, nem deixar de lado que É UMA FICÇÃO !
            A história é narrada por Hazel Grace Lancaster, uma paciente terminal. Sua mãe achaca que ela estava deprimida, por ela nunca sair de casa e ler sempre o mesmo livro e decidiu leva-la ao médico, que, depois de consulta-la concordou com a mãe, dizendo que ela devia continuar tomando os remédios e frequentar um Grupo de Apoio formado por pessoas com várias questões psicológicas desencadeadas pelos tumores.            
            O grupo se reúne toda quarta-feira no porão de uma igreja episcopal e Hazel o acha deprimente por seguir sempre da mesma maneira. Hazel tinha um amigo no grupo, Isaac, um menino magrelo com cabelos louros e lisos que cobriam um de seus olhos, “onde estava o problema”. O câncer levou um de seus olhos quando pequeno e em seu lugar havia um olho de vidro. Eles se comunicavam por meio de suspiros.            
            Em uma quarta-feira, Hazel já estava surtando com a história de ir ao grupo, e fez o que pode para não ir, mas sua mãe insistiu que fosse e fizesse amigos. Ao entrar na sala e se servir de biscoitos e limonada, ela percebeu um garoto olhando fixamente para ela, mas não conseguiu perceber tudo que ainda ia acontecer. No fim da reunião, Augustus foi falar com Hazel, e a comparou a uma atriz de um filme, o qual ela ainda não havia visto, fazendo com que ele a convidasse para sua casa para ver o filme, que, num primeiro momento ela recusa. E foi assim que começou a amizade dels.            
            Augustus liga para Hazel contando que conseguiu entrar em contato com seu autor favorito (Peter Van Houten – que escreveu o Uma Aflição Imperial), ela pede o contato dele e também envia um e-mail, para que ele respondesse suas dúvidas a respeito do livro. E ela fica surpresa ao ler a resposta do e-mail na qual Peter a CONVIDA PARA IR EM SUA CASA ! Porém, ela não tinha condições de pagar a viagem, já que seus pais gastavam muito com seu tratamento. Alguns dias depois, Augustus a leva para um passeio, e faz uma surpresa a ela.
 De alguma forma Hazel consegue a viagem para Amsterdã. Ela se sentia mal por ser uma granada (quando morresse, afetaria amigos, família, e Gus) mas ele responde a isso com “seria uma honra ter o coração partido por você”. Uma noite, ela acorda gritando de dor, e quando acorda está na UTI sendo medicada. Alguns dias depois, com ela melhor, ela deixa que Augustus entre para vê-la e ele comenta novamente a respeito do e-mail do Peter, e ela pede para sua mãe para falar com a médica, para saber se ela pode viajar. A médica diz que não vê problema, porém um outro médico, diz que seria muito arriscado. Depois de um tempo depressiva, descobre que a Dr. Maria convenceu a todos que ela precisa viver a vida dela. 
            Em Amsterdã MUITAS coisas acontecem, sério. E a única coisa que comento é : eles saem para beber estrelas e visitam a Casa de Anne Frank. E, quando voltam para o hotel no outro dia Augustus da uma notícia a ela, a qual os pais dela já sabiam.. e não me sinto no direito de contar ;/             
            E o que me deixou mais indignada foi que o Peter VAI PARA INDIANA ! MESMO DEPOIS DE TUDO O QUE ACONTECEU EM AMSTERDÃ ! No começo Hazel não se importa com sua presença, mas, um dia quando visita Isaac, quando estava de saída da de cara com ele em seu carro (na verdade, o carro da sua mãe), mas como está com pressa não se importa com isso e escuta o que ele tem a dizer. 
            E para deixar vocês menos preocupados para quando lerem, ela acha o papel que está procurando. 
            Me envolvi muito com o livro, e como no depoimento do Markus Zusak, chorei, ri, e quero mais!
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo recadinho ! Assim que ler eu respondo, beijinhos ;*